sábado, 24 de dezembro de 2011

DESPEDIDA

No aperto de mãos da despedida
O suor misturou-se a comoção
Anulando o perfume da paixão
E deixando no canto o da partida.

O achado de nós perdeu a ida
No caminho do eu, da solidão
Pois sem nós, eu não tenho a condição
De seguir linha reta sem saída.

Eu conjugo o presente no passado
Pra sentir o meu corpo ser tocado
Pelas mãos que acenam em tom de adeus,

Quando choro por ver as suas costas
O relógio me chega com respostas
Me dizendo que o tempo é um senhor Deus.

Thyelle Dias

Nenhum comentário:

Postar um comentário